terça-feira, 29 de maio de 2018

[OPINIÃO] - A Trança de Inês










Título: A Trança de Inês
Autor: Rosa Lobato de Faria
Editora: Edições ASA
Edição: Abril de 2018
1ª Edição: Abril de 2001
ISBN: 9789892341873
Páginas: 192
A minha classificação: 4/5★

Comprar o livro


SINOPSE:

Três tempos, três mundos, três destinos, um único amor. Universal e sem tempo nem medida, relembrando-nos que o amor e o ódio andam lado a lado e acontecem em todas as épocas.
Pedro é, no presente, um empresário de sucesso que se perde de amores por Inês. Mas este é um amor condenado à tragédia e à loucura. A sua história confunde-se com a de Pedro Rey, no século XXII, apaixonado também por uma Inês de entrançados cabelos loiros num futuro que os afasta por pertencerem a estratos diferentes da sociedade. 
E ainda com a lenda de D. Pedro que, no século XIV, tenta contra tudo e contra todos fazer valer o seu amor por Inês de Castro.




OPINIÃO:

Quero desde já agradecer à Elisa (A Miúda Geek) porque foi graças ao seu projecto "Leituras com Twist" que conheci este livro fantástico. Foi o primeiro livro que li da autora mas vou querer ler mais.

A Trança de Inês é narrado em três espaços temporais - passado, presente e futuro - tendo sempre por base a lenda de Pedro e Inês.
Pedro, o protagonista da história, encontra-se internado num hospital psiquiátrico e é dentro da sua mente que assistimos à passagem entre estes três tempos diferentes, uma vez que ele acredita ter vivido/viver nas três realidades.
O passado, no séc. XIV, fala sobre a grande história de amor que todos conhecemos entre D. Pedro, o Cru, e D. Inês de Castro, aia da mulher de D. Pedro, D. Constança. D. Pedro e D. Inês conhecem-se, apaixonam-se, têm filhos. Tudo acaba em desgraça quando o pai de D. Pedro manda matar D. Inês.
O presente, no séc. XX, apresenta-nos Pedro Reis que trabalha numa empresa como gestor e conhece Inês Castro, que trabalha no sector dos Recursos Humanos. As coisas não correm bem e é neste tempo que Pedro se encontra, internado num hospício.
O futuro, no séc. XXII, foi o meu tempo preferido e aquele em que a autora mais me surpreendeu. É-nos apresentado um futuro distópico onde o número de habitantes no planeta tem de ser controlado devido à sobrepopulação e, para isso, a sociedade encontra-se dividida em duas castas: a X e a Y. Os da casta X são aqueles que podem, de um modo controlado, ter filhos entre si; já os da casta Y, assim que recebem o carimbo, têm de ser esterilizados e não pode haver envolvimentos entre os indivíduos das diferentes castas. Este mundo distópico está excelente! Nunca associei Rosa Lobato de Faria a distopias mas a autora soube criar um mundo de forma fantástica em poucas páginas.

No início demorei a entrar na história e a perceber a escrita da autora porque ela não utiliza os parágrafos nem cria diálogos da forma convencional. Mesmo a passagem entre os diferentes tempos nem sempre é bem assinalada e senti-me perdida em alguns momentos, apesar de a leitura ter ficado mais fácil à medida que ia avançando.
Com excepção deste "pormenor" gostei muito da escrita da autora. Consegui visualizar o que ela nos queria mostrar, sofri com as personagens e achei uma escrita romântica, quase poética em alguns momentos. Também achei interessante a forma como a "mão da morte" viaja pelos diferentes tempos. Gostaria que o final tivesse sido mais desenvolvido porque precisava de saber mais. Queria descortinar completamente qual o futuro de Pedro.
Penso que teria sido fácil e, provavelmente, teria agradado a muitas pessoas haver um final feliz, em algum dos tempos, para Pedro e Inês mas gostei que a autora tenha deixado perdurar a lenda e que nos tenha apresentado sempre um amor trágico, pois é isso que associamos a estes dois amantes e é esse o tema central deste livro.
Vou, sem dúvida, querer ler mais de Rosa Lobato de Faria. Os livros que, neste momento, me despertam mais curiosidade são As Esquinas do TempoOs Três Casamentos de Camila S. e O Pranto de Lúcifer.


Sobre a autora:



Rosa Lobato de Faria nasceu em Lisboa em abril de 1932, tendo falecido a 2 de fevereiro de 2010, aos 77 anos. 

Poetisa e romancista, o essencial da sua poesia está reunido no volume Poemas Escolhidos e Dispersos, de 1997. O seu primeiro romance, O Pranto de Lúcifer, veio a público em 1995. Seguiram-se-lhe Os Pássaros de Seda (1996), Os Três Casamentos de Camilla S. (1997), Romance de Cordélia (1998), O Prenúncio das Águas (1999), A Trança de Inês (2001), O Sétimo Véu (2003), Os Linhos da Avó (2004), A Flor do Sal (2005), A Alma Trocada (2007), A Estrela de Gonçalo Enes (2007) e As Esquinas do Tempo (2008). 
Foi também autora de diversos livros infantis. Está traduzida em Espanha, França e Alemanha e representada em várias coletâneas de contos, em Portugal e no estrangeiro. 
Foi também conhecida do grande público como atriz de televisão e cinema.
Em 2000, obteve o Prémio Máxima de Literatura.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar